Pare de sabotar seu próprio sucesso

Tempo de leitura: 5 minutos

Todo mundo possui um “termostato de sucesso”. Esse termostato possui uma composição do que você acha que  merece e do que você pode administrar. Isso está diretamente ligado ao quão bem e ao quão longe nós podemos ir.

Em todos os setores da vida, inclusive no profissional, se as coisas começam a esfriar abaixo do que consideramos normal, corremos para aquecer novamente. Em contrapartida, se as coisas começarem a esquentar além dos nossos limites, tendemos a recuar.

Mas até que ponto esse passos para trás prejudicam o que nos  tornou bem-sucedidos ou até mesmo sabotam o nosso sucesso?

O Crescimento Organizacional e mentalidade

O trajeto para o crescimento não é simples, há passos a serem seguidos e obstáculos a serem superados.

Essas superações podem ser vistas como uma parede ou como uma oportunidade de crescer para o próximo nível.

O que você vê é determinado pela mentalidade. Isso determina o futuro que você pode criar e sustentar.

As  pessoas não são impedidas pela falta de oportunidades – oportunidades podem ser criadas. Elas são paralisadas, geralmente, por sua mentalidade.

Os quatro Mindsets que normalmente causam  auto-sabotagem

• Fixo:  uma mentalidade fixa é caracterizada pela crença das pessoas em suas qualidades básicas, como sua inteligência ou talento, trata-se apenas dos traços fixos. Eles gastam seu tempo documentando sua inteligência ou talento em vez de desenvolvê-los. Eles também acreditam que só o talento cria sucesso, sem a necessidade de esforço.

Quando uma pessoa com mentalidade fixa atinge um limite, em vez de se perguntar: “como posso ir além?”, eles pensam: “eu acho que isso é o tanto quanto eu ou nós podemos ir.”

Outro ponto característico dessa mentalidade fixa é ver os outros da mesma forma.  É difícil encorajar e orientar pessoas para um maior sucesso, se interpretamos os desafios delas como  inalcançáveis, e acreditamos que elas já atingiram seus limites e não têm mais nada a oferecer.

• Escassez: a mentalidade de abundância condiz as pessoas que veem o mundo como tendo recursos suficientes para todos, e  acreditam que o poder é compartilhável. Já as pessoas com uma perspectiva de escassez tendem a viver através do medo e controle, acreditam que os recursos são limitados. Frequentemente são desmotivados pelo medo de não conseguir o que querem ou o medo de perder o que têm.

Indivíduos movidos pela abundância tendem a ter a sua volta pessoas  leais e com moral elevada. Eles são melhores na resolução de conflitos, na comunicação e na criação de relacionamentos saudáveis. Já os da escassez tendem a diminuir a moral das pessoas ao seu redor. Eles são mais pobres comunicadores e as pessoas tendem a não querer participar do seu ciclo de conhecidos.

• Auto-estima: Muitos pessoas tendem a determinar sua auto-estima baseadas em outros indivíduos. O problema de estabelecer seu valor por meio de comparações é que sempre há alguém que parece estar se saindo melhor do que você. A forma como você escolhe medir seu valor como pessoa servirá como um fator importante nas escolhas que faz, nos pensamentos que você tem sobre a vida e na maneira como se sente em relação a si mesma.

A baixa auto-estima é um enorme peso para muitas pessoas e criam comportamentos prejudiciais, como por exemplo,escolhas excessivamente arriscadas ou excessivamente guardadas, reter os outros ou o ciúme. Nenhum desses comportamentos ou mentalidades tendem a levar ao melhor tipo de pensamento ou tomada de decisão. Da confiança vem a crença de que você tem valor intrínseco e que você traz valor para os outros.

• Locus de controle externo:   Alguém com um locus de controle interno, acredita que o sucesso ou o fracasso depende de suas escolhas. Em contrapartida, indivíduos com um locus de controle externo acreditam que as forças externas são responsáveis por isso. Até certo ponto, as pessoas tendem a ter um locus interno de controle. No entanto, esse senso interno de controle é muitas vezes limitado a situações que elas escolhem ou estão familiarizadas. Crescimento ou mudanças rápidas podem gerar medo de navegar por terrenos desconhecidos. Isso pode abalar a crença de que podem agir.

Geralmente os indivíduos com esse tipo de mentalidade demonstram comportamentos de evitação, postura de vítima ou negação, nenhum dos quais permite conduzir com sucesso objetivos novos ou desafiadores.


Revertendo o Mindset para o sucesso

A forma como pensamos altera  e muito o caminho que podemos seguir, certo? Então, se você se identificou em algum dos Mindset acima, precisa começar  a mudança já! E aqui estão três hábitos para te ajudar nessa tarefa:

1. Mude seus relacionamentos:

“ Você é a média das 5 pessoas a sua volta”. Já ouviu essa frase? Pois bem, a exposição aos outros ao longo do tempo molda nossa mentalidade. Gaste tempo com pessoas positivas e saudáveis ​​e reduza ou elimine seu tempo com pessoas de mente negativa. Busque oportunidades de desenvolvimento pessoal e profissional, e cerque-se de pessoas inspiradoras. Atualmente existem coachings especializados em ajudar as pessoas a ver e viver de maneira diferente, que tal uma consultoria?

2. Gerenciar sua mídia:

A maioria das notícias e mídias sociais chamam a atenção apelando para o medo, a escassez, a sensação de deficiência ou raiva. Eles raramente apelam ao nosso melhor. Limite ou remova sua exposição a mídias negativas e gaste mais tempo com mídias que incentivam você e alimentam a mentalidade que você deseja criar.

3.  Mergulhe em histórias:

Nós aprendemos melhor com histórias. Exponha-se a histórias inspiradoras, de pessoas que pensam e se comportam do jeito que você quer. Seja por meio de biografias, literatura, documentários ou podcasts, exponha-se às narrativas que você deseja imitar.

Escolher uma  mentalidade saudável não apenas expande seu próprio potencial de sucesso, mas também o sucesso de todos que estão a sua volta.


Com que mentalidade você tende a lutar? O que você está disposto a fazer para mudar? Nos conte nos comentários. Até a próxima! 😀

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *